Guerra Cósmica dos Super-Heróis Brasileiros

Está no ar o Mega Evento envolvendo todos os super-heróis do universo independente brasileiros: A Guerra Cósmica dos Super-Heróis Brasileiros. Esta história, criada, escrita e desenhada por Marcos Gratão, com apoio e textos de Lancelott Martins traz o que há de mais moderno em tecnologia digital, como cenários desenvolvidos em programas 3D e ilustrações desenhadas diretamente em programas como Photoshop em mesas digitalizadoras, sem deixar de lado o lado artesanal da coisa toda também, é claro, com os esboços á lápis – que podem ser conferidos na seção Sketshbook dentro da própria revista digital.

No primeiro número é dada a introdução da aventura, apresentando uma discussão, entre dois seres cósmicos, dando assim origem à guerra. Os super-heróis terão que unir suas forças para livrarem nosso mundo da destruição.

Na edição número #1 aparecem os heróis como: Capitão Alfa (José Braga), Beto Foguete (JJ Marreiro), Resistente (Juliano Rocha), Catalogador (Lancelott), Selena (Gratão), Velta (Emir Ribeiro), Crânio (Francinildo Sena), Raio Negro (Gedeone Malagola), Aline (Tony Brandão), Conversor (Sandro Marcelo) entre outros do autor.

E já para o próximo número a equipe criativa divulga a participação de outros heróis como a Ninja (Michelle Ramos), os Vigilantes (Gratão), os Invulneráveis (Sandro Marcelo) e muitos outros personagens.


CLIQUE NA IMAGEM PARA ACESSAR E LER!

Lançamento: Short Stories #4


Clique na Imagem para ler ou baixar!

AVISO! A Short Stories fará uma pequena pausa e retornara em Janeiro de 2015, com muito mais Aventura e Ficção! Até lá...

Helena em Mangá

Com 256 páginas é lançada a adaptação em Quadrinhos de Helena, obra de Machado de Assis, publicada em 1876.

A adaptação de volume único foi encomendada pela editora NewPOP e inaugura seu selo de adaptações literárias. A obra nos leva ao Brasil de 1850 onde conhecemos Helena, uma jovem encantadora e cheia de segredos que é reconhecida como filha do conselheiro Vale em seu testamento. A partir do momento que entrar em sua nova casa, mudará a vida das pessoas que nela residem e, principalmente, o coração de seu irmão Estácio.

A Adaptação foi produzida pelo Studio Seasons, e conta com os artistas Montserrat, Sylvia Feer e Simone Beatriz, com a colaboração eventual da Maruchan, que mora no Japão.

A edição custa R$: 19,90.


HM: Sempre tive a convicção de que o estilo shoujo cairia como uma luva nas obras do romantismo brasileiro. Agora, é só conferir o trabalho, sempre competente do Studio Seasons.

Fonte: Zine Brasil

Lançamento: Serpente de Fogo

Após o fim da série, Joe de Lima disponibilizou Serpente de Fogo como um e-book para download gratuito. Clique na capa abaixo para saber mais e baixar!

Linha Direta com o Inferno

04

A sala se encontrava vazia e estaria silenciosa se não fosse o zumbido do portal que fora deixado ligado.

- Vamos agir rápido! Enquanto você distribui as cargas em volta do portal enquanto faço o mesmo na sala de controle!

Não havia muito que discutir com Felicia, ela parecia estar em seu elemento, então Tomaz simplesmente obedeceu. De forma diligente espalhou os explosivos mas parou para contemplar o portal que vibrava sem parar. A luz negra oleosa parecia vibrar criando ondulações em meio ao aro. O padre se aproximou e levou a mão, parando-a a centímetros da luz.

- É fascinante não?

- Mcdamill?! – o franciscano virou e fitou o ex-pastor que o observava de uma plataforma.

- A Escuridão é tentadora não é? Poucos são aqueles que conseguem resistir ao seu chamado. Então padre, que tipo de pessoa o senhor será?

- Ei, Coisa Ruim! Não fique pondo minhoca na cabeça do padre!!
Mcdamill voltou-se a tempo de ver Felicia apertar o gatilho da submetralhadora que carregava. Seu corpo foi atingido por dezenas de projéteis até que despencou imóvel.

Felicia desceu as escadas se aproximando do franciscano. Entregou-lhe o detonador.

- Vamos acabar com isso e cair fora desse asilo de loucos!

O padre consentiu e ia apertando o botão quando...

- Hahahahahhaha! Belo disparo minha cara. Belo disparo.

Para a surpresa de Tomaz o pastor voltou a levantar mesmo tendo seu corpo crivado de balas. A freira pareceu pouca surpresa e antes mesmo que Mcdamill terminasse de falar ela começou a disparar sua pistola. Só que desta vez ele não caiu; as balas entravam em seu corpo como se este fosse feito de espuma.

- Não percebeu que suas balas nada adiantam?

- Percebi! – Felicia jogou a arma fora – Com você vai ser do jeito antigo!

Num salto inacreditável a freira se atirou sobre o pastor, que caiu, iniciando um combate corpo a corpo violentíssimo. Mas o pastor desviou-se de seus golpes e, após agarrá-la pelo ombro, lançou-a em direção a uma das paredes. Então voltou sua atenção para o padre e num piscar de olhos já estava junto ao clérigo.

Assustado pela rapidez e proximidade do outro o padre recuou alguns passos.

- Seria melhor se você me desse este detonador padre! Seria melhor para nós dois...

Tomaz sentia o hálito de enxofre que lhe tonteava ao mesmo tempo em que sentia um desejo enorme de entregar o aparelho para Mcdamill, que parecia babar. O frade chegou a estendeu a mão.

- Nããããooooo!                 

O grito de Felicia pareceu arrancá-lo de um transe. Puxou a mão de volta e olhou firme para Mcdamill; que estremeceu.

- “Só quem perseverar até o fim, será salvo!” – o franciscano citou e apertou o botão. O som das explosões reverberou por todo o aposento e o aro de metal ruiu sob os escombros. Mcdamill soltou um grunhido que gelou o coração do padre.

- Agora você via morrer padre maldito!! – garras, que antes eram dedos, avançaram em direção a garganta do frade.

- Não se esqueça de mim!!

O ataque de Felicia foi tão inesperado que lançou Mcdamill entre os escombros. Mas ela não poderia fazer outro ataque como àquele, Tomaz pensou, observando os ferimentos que expunham a carne da freira. Então decidiu agir; decidiu usar um conhecimento que usara poucas vezes desde que fora ensinado. Os escombros se agitavam enquanto Mcdamill procurava se recuperar. O franciscano ajoelhou-se e tocou no óleo que encharcava o piso desde as explosões. O ex-pastor se levantou e seu olhar colérico fitou Felicia, que se pos entre ele e o padre. Tomaz pronunciou uma prece e agarrou o máximo de óleo possível e passou na frente da freira.

Neste instante Mcdamill avançou, rosnando de fúria. Tomaz permaneceu imóvel até que a criatura estivesse perigosamente próxima; então levantou a mão com o óleo e;

- In Nomine Patris... – a mão desceu aspergindo o olho sobre a criatura que parou assustada.

- Et Filit... – a mão fez outro movimento da esquerda para a direita, aspergindo mais óleo sobre Mcdamill – Et Spiritus Sancti. Amen

O ex-pastor caiu de joelhos urrando como se cordas o apertassem. Felicia caiu de joelhos, juntou as mãos, fechou os olhos, e iniciou uma prece silenciosa.

- Sit haec sancta et innocens creatura, libera ab omini impugnatoris incursu et totius nequitiae purgata discessu – Tomaz continuou – Sit fons vivus aqua regenerans, unda purificans:

O padre aspergiu mais uma vez a cruz de óleo sobre Mcdamill que urrou mais alto. Seus olhos brilhavam de fúria assassina.

- Ut omnes hoc lavacro salutifero diluenti, operante in eis Spiritum Sancto, perfectae purgationis indulgentian consequantur.

O corpo de Mcdamill começou a se contorcer frenéticamente. Seus olhos viravam e uma baba esverdeada escorria de sua boca em meio aos rosnados.

- Unde benedicto te, creatura aquae, per Deum vivum, per Deum verum, per Deum Sanctum; Per Deum qui in principio verbo separavit ab arida:

- Eu te amaldiçôo!! – a criatura deformada pelos espasmos pronunciou entre os dentes cerrados.

- Cuius spiritus super te ferebatur!!

Um novo urro, animalesco, sobrenatural, demoniaco encheu toda a fortaleza fazendo Felicia tremer. Mas, em seguida, caiu o silencio. Um silencio sepulcral, tão intimidador quanto urro final de Mcdamill.

Tomaz tocou no ombro de Felicia; que abriu os olhos.

- Está tudo terminado – ele disse procurando sorrir – Vamos sair desse lugar maldito.

Eles correram escadarias acima e encontraram os templários esperando, apesar de já ter passado os cinco minutos estipulados por Felicia. Ela sorriu, parecia ter certeza de que o oficial templário a estaria esperando.

Conclui em... 7 dias!


Espero que tenham apreciado. Espero seus comentários...


Linha Direta Com o Inferno

03


Tinha algo de estranho acontecendo ali, Tomaz pensava observando o teto da cela. Por algum motivo ele e Felicia haviam sido separados dos outros e enviados para dois quartos existentes nos andares superiores da fortaleza.

Até aquele momento havia deixado levar-se pelos acontecimentos. Não passara-lhe pela cabeça sequer perguntar do porque de precisarem dele naquela missão; estava ali apenas por força de seu voto de obediência para com a ordem. Mas os acontecimentos estranhos estavam se avolumando. Acontecimentos estranhos como aquelas criaturas na vila. Como aquele homem que lhe dizia que era famoso entre sua gente, mas afinal quem era a gente dele? Outra coisa estranha era a conversa que o homem tivera com Felicia. Mais estranha ainda foi a reposta dela.

O sacerdote fechou os olhos, mas abriu-os imediatamente. A maçaneta da porta se movia furiosamente. Depois parou e então veio uma pancada. A porta se abriu com violência e Felicia apareceu.

- Já descansou o suficiente padre. Está na hora de ir!

O padre saltou da cama e correu na direção da porta. Ia perguntar para a freira como ela havia escapado quando viu a garota do lado dela.

- Esta é Amely Mcdamill. Ela era nosso contato dentro da fortaleza – Felicia fez as apresentações sem tirar os olhos do corredor – Precisamos agir rápido! Vou libertar nosso pessoal e o senhor vai resgatar o doutor Jorge Filho...

- Mas não faço idéia de onde ele esteja?

- Eu sei – Amely respondeu – Ele costuma ser mantido próximo ao portal...

- Portal?!

- Não percamos tempo! Vamos!

Felicia não esperou concordância e partiu.

- Não podemos ir pelos corredores principais! - Tomaz disse enquanto observava a freira desaparecer numa curva.

- E não iremos – Amely foi até a parede e tocou num local especifico. Uma parte da parede se moveu e revelou uma escada escondida – Este forte está cheio de passagens secretas. Seja da época espanhola, seja da época inca...

+ + + +

O religioso já perdera a conta de quantas vezes trocara de passagem secreta e de quantos metros descera por aquelas escadarias escuras, poeirentas, cheios de teias de aranha e ar viciado quando Amely abriu aquela que seria a ultima porta. Somente após se assegurar de que a passagem estava livre avançou e fez sinal para que o sacerdote a seguisse.

Primeiramente Tomaz sentiu-se como estivesse numa tumba inca a dezenas de metros dentro da montanha. E talvez estivesse. Depois percebeu que estava num dos laboratórios mais avançados do mundo, tamanha era a quantidade de telas de visor liquido celular de energia, plataformas e cabos de força que existiam por todo aquele lugar. Então, ao ver o imenso portal em forma de aro, teve a certeza de que havia entrado no laboratório de algum cientista louco.

- O doutor está naquele container – Amely apontou um cubículo de aço do outro lado da sala.

Eles começaram a avançar cuidadosamente, evitando tropeçar nos cabos de força que forravam o chão, mas quando passaram na frente do portal o padre não resistiu e parou para admirar a peça. Havia varias inscrições na em todo o aro, passagens bíblicas na verdade, e ele acabou se lembrando de um antigo filme de ficção cientifica que vira na infância. Amely alertou-o de que deviam se apressar.

Libertar o inventor não foi problema, Amely conhecia o código da fechadura eletrônica, o problema era carregá-lo, pois estava muito debilitado e mal conseguia manter-se em pé. Com dificuldade a garota e Tomaz conseguiram levá-lo até o portal. Foi quando ouviram o desengatilhar das armas.

- Ora, ora, o que temos aqui? Uma filha rebelde e um padre fugitivo...

- Você não é meu pai! – Amely gritou em meio a soluços – Não mais...

O clérigo tentou acalmá-la.

- Quer ouvir uma história padre? Sei que quer... Há muitas perguntas em sua cabeça: Tudo começou quando a esposa deste ser morreu e ele pos na cabeça que queria continuar falando com ela. As sessões espíritas ajudaram durante um tempo, mas não estava bom; havia muita gente e sentia falta de intimidade e privacidade. Então resolveu dar uma de inventor e criar uma máquina para falar com os mortos. E não é que ele conseguiu, o que considero um grande golpe de sorte, mas nunca conseguiu localizar a esposa no além. Também pudera, a máquina alcançava apenas um nível do “outro lado”, o Céu, mais especificamente o Purgatório. Então decidiu comercializar seu invento e assim conseguir capital para aperfeiçoá-lo até conseguir contato com o Paraíso dos Santos. Criatura tola, sua arrogância humana não o deixou pensar por um momento que sua esposa não estava no Céu...

- Não! Pare, pare!! – o cientista começou a gritar tapando os ouvidos – Não quero ouvir é mentira!!

- Está vendo. Mesmo após ter ouvido a verdade seu orgulho não o deixa acreditar. Acreditar que a sua querida e amada esposa está no Inferno. Bom, continuando, é neste ponto que entra o pai desta garota. O pastor Allan Mcdamill tinha prosperado incrivelmente desde que fundara sua própria igreja, mas ele sentia que poderia conseguir mais só precisava que a oportunidade surgisse. E a oportunidade apareceu quando ficou sabendo do aparelho criado pelo doutor Jorge. Então pensou: se as pessoas pagam para terem um lugar garantido no céu depois da morte, quantos não pagariam para ir, em vida, para o céu?

- É mentira!! Meu pai nunca faria isso! Ele sempre foi um homem devotado a Deus...

- Será? Se sua mãe estivesse aqui ela poderia contar-lhe como era seu pai “temente a Deus”. Mas ela não esta aqui não é mesmo?

- Pare de atormentar essas pessoas!!! – Tomaz gritou tentando acalmar Amely.

- Ora padre, achei que gostasse de uma boa história? Ora, não quer saber para que serve este portal atrás de vocês? Ele foi os frutos do investimento do pastor Mcdamill; um portal que desse acesso direto ao Paraíso.  Infelizmente, para ele, quando percebeu que se enganara já era tarde: já atravessara sua criação e sua alma mergulhava no desespero e na loucura. Somente aqueles com proteção divina, como a freira espanhola e aquelas crianças portuguesas, podem contemplar a Danação Eterna e não enlouquecer...

- Se você não é o pai de Amely! Então, quem é você?

- Ainda não percebeu? Havia uma casca vazia perambulando pelos infernos e uma porta aberta, não poderia deixar passar a oportunidade. Por azar o portal só permite o ir e vir de humanos. Aqueles de meu povo que conseguem atravessar sem uma casca humana não passam de animais como você percebeu...

- Se é verdade que apenas humanos podem voltar de lá porque minha mãe não voltou?

- Porque não era para ela voltar. Ela era um presente meu para meus senhores. Mas não se preocupe minha cara – Allan Mcdamill sorriu – logo você se juntara a ela. Assim como o padre e esse inventor imprestável! Ativem o portal!!

Um zumbido energético foi ouvido e o imenso aro de metal negro começou a girar. E, em questão de segundos um vortex, como a superfície de um lago, surgiu entre o aro refletindo uma luz negra oleosa.

- Tenham a bondade – Mcdamill disse enquanto dois de seus asseclas lhes empurravam com os canos de suas armas na direção do portal.

- Não! – Amely gritou – Eu não irei! Prefiro morrer!

Num primeiro momento, Tomaz se assustou com a súbita coragem a moça, mas concordou com ela. Existiam fins piores que a morte.

- De um jeito ou de outro você vai para lá mesmo, minha querida...

- Então prefiro ir morta!!

- Para mim tanto faz. Homens: atendam o desejo desta garota.

Armas foram apontadas e o barulho de disparos foi ouvido.

Mas não foram os disparos dos homens de Mcdamill. O som ouvido foi o das armas dos comandos, liderados por Felicia, que atravessaram todo a sala derrubando vários dos asseclas de Mcdamill.  Os sobreviventes procuraram abrigo, esquecendo-se completamente dos reféns.

Protegidos sob os disparos dos companheiros dois comandos se aproximaram.

- Vamos sair daqui!

Pegaram o inventor e voltaram pelo caminho que vieram. O frade pegou na mão de Amely e seguiu-os. Logo estavam em meio aos companheiros.

- Já temos o que viemos pegar! - a freira disse ao recarregar a pistola – Bom trabalho padre! Vamos sair daqui pessoal!

Um a um eles recuaram para o corredor e começaram a abrir caminho para os andares superiores.

- Há um helicóptero no telhado, vamos usá-lo para sair daqui!!

 - Não podemos! – Tomaz gritou – Temos que destruir aquele portal! Imagina o que acontecerá se conseguirem trazer milhares de criaturas como aquela da vila para o mundo!

- Você tem razão. Sargento: me de alguns explosivos e detonadores!

Rapidamente o oficial passou os apetrechos para a freira e o padre.

- Usem as passagens – Amely sugeriu tocando numa parede abrindo uma escadaria.

- Ok! Vocês continuem e esperem por cinco minutos! Se não voltarmos; decolem!

- Mas...

- Nada de “mas” sargento! É uma ordem! Vamos... –  ela e o clérigo enfiaram-se na escadaria escura.

CONTINUA EM... 7 DIAS!!

Ufa! Quase que não dá tempo de postar o capitulo, mas aqui esta ele... espero que gostem! E não deixem de comentar...


Linha Direta Com o Inferno

02

Era noite e o learjet negro cortava velozmente através dos Andes. Tomaz ainda tentava assimilar o que acontecia; doze horas atrás estava no acampamento de refugiados do Sudão cumprindo de sua paróquia e então uma freira apareceu e o arrastou até Cartum onde pegaram um avião para Lisboa. De lá decolaram para Salvador onde embarcaram no jato que agora voava sobre os Andes Chilenos. Seus olhos passearam pelo compartimento; fora ele e a irmã Felicia estavam naquele avião duas mulheres e quatro homens que exibiam cruzes cinzas nas mangas dos uniformes totalmente negros. Eles lembravam-lhe membros de uma força especial de algum exército.

- Acho que deve haver muitas perguntas em sua cabeça, não é? – Felicia, que estava sentada a se lado, disse enquanto checava sua pistola – Logo após o seqüestro do inventor o Vaticano e vários paises iniciaram uma busca desesperada. Foi uma busca infrutífera até que um informante notificou a arquidiocese chilena. Então fomos convocados e estamos rumando para uma antiga fortaleza espanhola nos Andes. Temos ordens expressas de resgatar o inventor das mãos de possíveis fanáticos religiosos...

- Mas este tipo de missão não é serviço deles?

- Pois é, mas por algum motivo eles me querem e querem você nela...

- Dois minutos para o ponto de lançamento - a voz do piloto interrompeu-lhes.

- Ok! Checar equipamento! – o líder dos comandos anunciou e todos se entregaram a tarefa no minuto restante.

- Preparar para saltar - outra vez o autofalante anunciou e uma luz sobre a porta mudou de vermelho para amarelo. O líder dos comandos levantou-se e abriu-a. Todos seguiram seu exemplo e perfilaram.

- Padre!? Podia nos abençoar?

O pedido pegou Tomaz de surpresa ao mesmo tempo em que a luz mudava de amarelo para verde.

- Que Deus lhes abençoe! – foi tudo o que conseguiu dizer.

Um “amém” uníssono se ouviu. Todos fizeram o sinal da cruz e o comandante ordenou que o primeiro comando saltasse. Em questão de segundos todos estavam envoltos pela escuridão.

+ + + +

“Para uma primeira vez até que o pouso foi macio”, Tomaz pensou enquanto procurava se livrar das cordas do pára-quedas que insistiam em se enrolar em suas pernas.

- Tá precisando de ajuda padre?

A voz de Felicia o assustou. Ele tinha certeza de que havia caído afastado dos outros e não ouvira ninguém se aproximando. A freira cortou as cordas com uma faca e indicou o caminho para onde tinham que seguir até encontrar com os outros. Estavam num bosque, no sopé de uma das montanhas da cordilheira. Era uma noite sem lua e o silencio era absoluto; nem mesmo ouvia-se os ruídos dos animais que caçavam a noite. Logo se encontraram e começaram a subir.

Era uma subida difícil, pelo menos para um sacerdote acostumado a planície desértica do norte da África, pois os comandos avançavam com desenvoltura apesar de estarem sendo cautelosos.

Quando o céu oriental começou a tomar os tons de uma nova manhã chegaram em um platô, ficando frente a frente com uma aldeia inca abandonada. Todos se entreolharam; não esperavam encontrar uma aldeia naquela altitude, nem tinham sido informados de que haveria uma. A um sinal do comandante voltaram a se mover de forma cautelosa.

Felicia se aproximou de Tomaz e fez um sinal mostrando algo para ele na  montanha logo acima. O sacerdote teve que forçar a vista para poder ver as paredes do forte entremeio as rochas.

- Antes de ser um forte espanhol a fortaleza era uma construção inca...

Felicia calou-se. Um dos comandos havia feito um sinal e todos pararam. Estavam no meio da aldeia e todos sentiam como se o silencio fosse mais agudo entre aquelas ruínas.

Súbito! O som de pedregulho sendo pisado. Todos olharam em volta e destravaram suas armas. Não estavam a sós afinal. Um vulto correu entre as ruínas de duas casas. Foi seguido por outro no lado oposto. Depois outro. E outro. A tensão entre os comandos começava a se tornar palpável.

- Vamos avançar sargento!! – Felicia gritou para o líder do grupo – Estamos desprotegidos aqui!

O oficial fez um sinal e todos voltaram a marcha. Não deram quatro passos e o grito, logo abafado, do ultimo soldado da fila chamou a atenção de todos.

Havia três criaturas sobre ele. Ele se debatia desesperado enquanto elas rasgavam-lhe a carne com seus dentes e garras. Como que pressentindo o pavor entre os soldados uma das criaturas levantou a cabeça e mostrou-lhes os dentes de tubarão, cheio de carne humana, num sorriso macabro. Foi abatido pelos disparos dos AK-47.  Levantou-se novamente e sua bocarra exibiu um sorriso satisfeito.

- Temos que sair daqui!! – alguém gritou.

- Não há mais tempo – Felicia respondeu. Seus olhos estavam fixos nas criaturas que abandonavam as ruínas – Estamos cercados.

As criaturas, uma centena delas, avançavam com seus longos dedos com garras adiante e com as bocarras escancaras, exibindo os dentes de tubarão, deixando escorrer uma saliva fétida.

Os comandos destravaram suas armas. Felicia sacou a pistola e o franciscano, por um minuto, pensou que não devia ter recusado a arma quando a freira lhe ofereceu. Nenhum deles esperava sair daquela armadilha com vida, mas não iriam tombar sem lutar. Em silencio, o padre encomendou a alma de todos.

Neste momento um assobio agudo ecoou por entre as ruínas. As criaturas pararam com se tentassem escutá-lo. Um segundo assobio, só que mais forte e longo, ecoou. Então as criaturas começaram a recuar com o temor em seus rostos. Sem entender nada os religiosos e os comandos mantiveram suas posições.

As criaturas continuaram recuando até pararem e abrirem caminho para vários homens armadas, com exceção de um que estava vestido como um nobre espanhol do século dezoito.

- Sugiro que abaixem as armas, senhores! – disse – Se quiserem sair vivos daqui!

A uma ordem de seu comandante todos soltaram as armas e levantaram as mãos. O homem sorriu satisfeito.

- Muito bom! Ao contrário do que parecem, vocês são seres sensatos. É uma honra tê-lo aqui padre Tomaz, o senhor não sabe, mas é famoso entre minha gente...

- E o senhor quem é?

- Tudo à seu tempo padre. Tudo à seu tempo. Agora tenho algo mais importante aqui.

O homem avançou na direção de Felicia e numa reação instintiva dois comandos se puseram entre eles. O homem fez uma careta. A freira ordenou que eles se afastassem e ficou face a face com o nobre espanhol.

- Muito me surpreende ver alguém como você entre os soldados da Ordem de Malta...

- A salvação pela cruz é para todos – ela o encarou mostrando os caninos – Até mesmo para os descendentes do primeiro homicida...

Ele gargalhou e se afastou fazendo um sinal para seus homens que avançaram. Recolheram as armas e indicaram a direção que o grupo de prisioneiros devia seguir.


CONTINUA EM... 7 dias!


E aqui está a segunda parte. Espero que tenham gostado da primeira e que apreciem esta também.  ^_________^

Linha Direta com o Inferno

01


Os três homens esperaram pacientemente a passagem dos penitentes: homens e mulheres derramando lamentos para o céu enquanto se batiam com chicotes feitos de couro de cabra. Os dois mais novos, paletó, davam a impressão de não se importar com a multidão enquanto seus olhos corriam todos os arredores por trás das lentes escuras de seus óculos. O mais velho estava vestido de maneira informal e cabelo grisalho desalinhado e mantinha a cabeça baixa evitando a todo custo olhar para a procissão a sua frente.

- Vamos! – disse um dos mais novos, tocando-lhe o ombro, assim que o ultimo flagelante passou.

Ainda cabisbaixo ele obedeceu. Começou a seguir na direção da entrada do saguão do aeroporto. Subitamente fizeram-no parar e levaram suas mãos para dentro dos paletós. Ele sabia que procuravam as pistolas, mas quando levantou os olhos para ver o porquê seus acompanhantes já se encontravam mortos no asfalto.

+ + + +

- Boa Tarde, padre Tomaz! – a voz saiu com alguns segundos de atraso em relação ao movimento dos lábios do ancião. Por algum motivo o sacerdote achou aquilo engraçado, mas segurou o riso - Gostaria de podermos conversar via videofone, mas as linhas de comunicação africanas não estão estáveis então me perdoe por mandar um disco gravado.

O cardeal fez uma pausa, como se refletisse, antes de continuar:

- Já ouviu falar no SisCoEsp?

Era apenas uma pergunta retórica, porque quem não ouvira falar do Sistema de Comunicação Espiritual, conhecido nos meios menos abastados como “Linha Direta com os Mortos”. Um aparelho do tamanho de uma caixa de sapato, parecido com um rádio, inventado pelo médico espírita Jorge Filho, que ao ser ligado permitia ao usuário conversar com alguém no outro lado da vida. Alguns diziam que era puro charlatanismo, outros gritavam aos quatro ventos de que era a maior invenção desde a roda. Pessoalmente o frade pouco pensou no assunto afinal tal maquina tinha pouca chance de aparecer no deserto do Sudão. Onde a maior preocupação era manter-se vivo durante a seca que enfrentavam e evitar os escravagistas muçulmanos...

- Obviamente tal novidade seduziu primeiramente os jovens, depois as senhoras abastadas e finalmente alcançou as classes mais baixas, graças às ações de alguns oportunistas que viram na caixa uma maneira de aumentar os cofres de suas seitas. E o que parecia apenas uma moda passageira começa a revelar-se um desastre socioeconômico. “Não se encontre entre vós quem pratica a invocação dos mortos”, disse o Senhor. Pode imaginar irmão, como o contato com os mortos pode ser tão viciante que leva o vivo a ser escravo do morto? Uma escravidão absoluta que termina com o vivo se sacrificando pelo morto? Pois é o que vemos desde que esta caixa foi lançada como simples brinquedo.

Temos uma sociedade entrando em colapso, pois os vivos devem atender os desejos de mortos que exigem atenção integral. Presenciamos o retorno de antigos excessos como o dos Flagelantes, que se espalham pelas ruas da Europa e da América Latina. Cultos idólatras a mortos populares se alastrando pelos Estados Unidos e Canadá. Ondas de suicídios se alastrando porque os mortos dizem que o lado de lá é melhor. O irmão faz uma idéia do perigo que corre a humanidade?

Tomaz fazia idéia e se preocupava com o fato de tantas almas estarem se perdendo por causa de um invento tecnológico. Mas, perguntou-se, o que um franciscano perdido no meio do deserto do Sudão, poderia fazer além de rezar? Felizmente o cardeal tinha a resposta:

Ciente da grave crise por que passa a humanidade Sua Santidade expressou o desejo de falar com o inventor do SisCoEsp. O localizamos no Rio de Janeiro mas nossos agentes foram atacados e o inventor seqüestrado. E é neste ponto que precisamos do senhor e de suas habilidades então estamos enviando um veiculo para pegá-lo...

- O quê? – Tomaz teve tempo de falar antes do barulho ensurdecedor de um helicóptero ouvir-se sobre o casebre que lhe servia de igreja. Correu para fora e encontrou uma moça sorridente esperando-o. Ela segurava uma corda que pendia desde a máquina voadora.

- Bom tarde padre Tomaz. Sou a irmã Felícia, terceira ordem agostiniana, e estou aqui para levá-lo. Por favor, segure-se firme.

Sem dar-lhe chance de reação ela passou um cinto em torno de sua cintura e ambos foram alçados pela aeronave que partiu velozmente.


CONTINUA EM UM SETE DIAS...


Já era hora de retomar esse blog e nada melhor do que reinicia-lo com um conto, mesmo que continuado. Espero seus comentários.

Esquadrão Terror #01 - Lançamento Blue Comics

Demorou um pouco, mas aqui está o número 1 de Esquadrão Terror, HQ da Blue Comics com roteiro de Joe de Lima, arte de Felipe de Lima (não são parentes :P) e cores de Adriano Félix. A trama acompanha uma equipe de anti-heróis criada pela ONU para fazer o trabalho sujo: eliminar ditadores e terroristas mundo à fora, sempre por baixo dos panos.

Joe de Lima: "Essa foi uma experiência diferente para mim, e houveram até algumas complicações, como uma certa indecisão sobre como deveriam a aparência e poderes dos personagens. Seja como for, espero que gostem!

Clique na capa para acessar e deixe sua opinião nos comentários!


Visto no: Joe de Lima

Scarium #26

Como uma Fenix 
Cartas 

Artigos: 
Steampunk, naves de gerações e seitas - Edgar Smaniotto 
Hellboymania - Cesar Silva 

Contos: 
O Artista da Capa - Gabriel Boz 
Kaori - Entrevista 
Anuara Diva - John Dekowes 
O Imortal - Celso Santos 
Planeta Andarilho - Renato A. Azevedo 
Um Sol para contemplar - Hugo Vera 
Pássaro da Noite - Ana Cristina Rodrigues 
A Capsula do Tempo - Luiz Fernando Riesemberg 
Sonhar é Proíbido - Davi Melo 
Granizo Púrpura em Céu de Diamantes - Gabriel boz 
Guerra da Água - Miguel Carqueija 
Capa Gabriel Boz.



70 páginas
Edição 26 - Vários Autores 
Páginas: 70 
Formato: 13,5 x 20 cm 

Clique AQUI para adquirir a sua!

O Repórter e a Mercenária

J.M., um repórter que mexeu com gente graúda e teve que deixar seu mundo natal. Nas profundezas do espaço sideral ele achava que estaria seguro. Ledo engano. Felizmente, Silvana, uma mercenária sem memória em busca de seu passado e rápida no gatilho estava ao seu lado.


Ficha Técnica
O Repórter e a Mercenária
Autor: Hadrian Marius
Editora: Independente / Edição do Autor
Formato: Edição Kindle
Tamanho do arquivo: 675 KB
Número de páginas: 33 páginas

Clique AQUI para adquirir o seu!

Lançamento: Velta: A Super Detetive #01

"Velta, a super-detetive" N° 01 preocupou-se em apresentar a personagem a quem não a conhece, concentrando-se na sua origem e nos coadjuvantes da série. Por isso, os quadrinhos e os textos explicativos ilustrados seguem essa diretriz, e o melhor: diferentemente da maior parte das edições impressas, essa revista virtual é toda colorida.


                                                Clique na Imagem para Acessar e Baixar!

Resenha : O Apelo da Lua

O que é?
Livro de fantasia urbana escrito pela autora Patrícia Briggs publicado em Portugal pela editora Saída de Emergência e sem editora no Brasil até o momento.

Sinópse
Mercy Thompson é uma talentosa mecânica de automóveis que vive na zona de Washington. Mas ela é muito mais do que isso: também é uma metamorfa com o poder de se transformar num coiote. Como se não chegasse, o seu vizinho é um lobisomem, o seu antigo patrão um gremlin, e neste momento está a reparar a carrinha de um vampiro. Este é o mundo de Mercy Thompson, um que parece igualzinho ao nosso, mas cujas sombras estão repletas de estranhas e perigosas criaturas da noite. E se até agora Mercy sempre viveu bem nesse mundo, aproxima-se o dia em que a sua preocupação vai ser apenas sobreviver...

Comento...

Peguei esse livro para ler com certo receio; parecia mais um daqueles romances envolvendo seres sobrenaturais tão em voga depois do sucesso da saga crepúsculo. Entendam, eu não tenho nada contra, só não é o tipo de leitura que costumo ler para passar o tempo e para mim literatura é isso: passatempo e puro entretenimento.

Mas a capa me incitava a lê-lo afinal ela me apresentava uma heroína forte de determinada. Sempre fui muito mais a Bela e Fiona do que Branca de Neve e Bela adormecida. Então, incitado pela heroína da capa comecei a ler O Apelo da Lua e não me arrependi.

Patricia Briggs nos apresenta Mercy Tompson, uma mulher de temperamento forte, independente e que não tem medo de dar a sua opinião apesar da sociedade patriarcal em que foi criada. Mercy é mecânica de autos, mas a autora não deixa que pensemos que ela seja uma heroína masculinizada e sim uma mulher sensível que se compadece e se envolve nos problemas alheios.

E a autora usa essa característica para arrastar Mercy para uma história cheia de reviravoltas, assassinato, sequestro, traição, chantagem, revelações surpreendentes e final inesperado.

Narrada pela própria Mercy a história avança continuamente de forma sólida com reviravoltas no momento certo, quando a história ameaça ficar maçante, e com informações complementares sendo apresentadas somente quando necessárias e uteis para entendermos certas situações e atitudes.

Patricia Briggs nos apresenta um universo coeso onde cada grupo é bem construído e tem sua função. Seus personagens secundários não são apenas figurantes para a heroína, mas bem construídos com personalidades próprias e objetivos próprios. Ficamos com a impressão que cada um poderia ser protagonista em seu próprio livro.

Concluindo, Patricia Briggs nos brinda com uma leitura agradável e uma heroína por quem vale a pena torcer e acompanhar os passos. Entretenimento e lazer de primeira qualidade que espero que chegue ao Brasil em breve.


Ficha Técnica
O Apelo da Lua
Autor: Patricia Briggs
Editora: Saída de Emergencia / Portugal
Formato:16x23 cm
Encadernação: Brochura / capa mole
Quantidade de Páginas:288

Clique AQUI para adquirir o seu!

A Donzela e o Condenado

Uma fuga da prisão. Uma garota vendida para um bordel. Um pai desesperado e Dantas, um condenado, vê sua chance de sair da mais mortífera prisão espacial.

J.M., um repórter que mexeu com gente graúda e teve que deixar seu mundo natal. Nas profundezas do espaço sideral ele achava que estaria seguro. Ledo engano.

Era apenas mais uma viajem estelar para os livre-cambistas Larrar, Feenah e Alesia, mas um erro de calculo pos tudo a perder.

No distante e agricola Patmos a menina Elisa conhece o amor nos braços de Alexandre, um naufrago. Mas, seu mundo é ameaçado por saqueadores espaciais.

Quatro histórias ambientadas no futuro que nos mostra que não importa o tempo que passar, e a quantidades de mundos que colonizará, a humanidade nunca mudará e seguirá sempre sendo ela mesma.


Ficha Técnica
A Donzela e o Condenado e outras histórias espaciais
Autor: Hadrian Marius
Editora: Independente/Clube dos Autores
Formato: 21x14 cm
Encadernação: Brochura c/ orelha
Quantidade de páginas: 118

Clique AQUI para adquirir o seu!

Escorpião de Prata Fanarts

O Projeto FANART é  uma compilação de várias artes esparsas do personagem Escorpião de Prata. Mas, antes cabe uma definição do termo... Fanart ou fan art é uma obra de arte baseada em um personagem, fantasia, item ou história que foi criada por fãs. 



Clique na Imagem para Acessar e Saber mais!

DreamScape

Rafael é assitente em um escritorio,naverdade um escritorio diferente, atualmente nos comandos de uma garota temperamental e sem tato social ,Emilly mais conhecida como Amy. Que na ausencia de seu avô,toma conta de suas pesquisas, umas das mais importantes é uma maquina que revolucionaria a medicina psiquiatrica levando o paciente a sua zona de conforto "seus sonhos" para confortar e tratar disturbios mentais,porem a maquina ainda não esta devidamente terminada dando outras finalidades não tão Virtuosas assim.


Ficha Técnica
DreamScape.
Autor: Renata Goes
Editora: Independente/Clube dos Autores
Formato: 21x14 cm
Encadernação: Brochura c/ orelha
Quantidade de páginas: 89

Clique AQUI para adquirir o seu!

SARLACK: O Grande Dragão Verde

Bang! A porta da taverna Caneco de Pedra é aberta com um pontapé! Onerix, Jack e Lion mal sabiam que estavam prestes a embarcar na maior aventura de suas vidas ao aceitar mil moedas de ouro para enfrentar o Lich de Yhilath.

Este livro é uma homenagem satírica a todas as histórias de fantasia envolvendo elfos, orcs e dragões que se conhece, sobretudo uma grande referência aos muitos universos dos jogos de RPG como Dungeons and Dragons e World of Warcraft. 

Com um tom saudosista, o texto do livro revela uma forte inspiração em livros como Senhor dos Anéis e o Guia do Mochileiro das Galáxias. Um grande livro para os verdadeiros fãs de fantasia.


Clique na Imagem para Saber Mais!

Serpente de Fogo - Joe de Lima

Um brilho no céu... uma visão... uma profecia... Valek Clancey nasceu sobre vários sinais que previam um destino grandioso para ele. Criado por um povo guerreiro, irá partir em uma longa jornada após reencontrar sua verdadeira mãe, Liana, agora uma estranha para ele. Em meio ao choque das duas maiores nações do Mundo Antigo, Valek e Liana desafiarão seus destinos enquanto terão de lidar com o sentimento proibido que os une.


Clique na Imagem para Ler!

Lançamento: Mind Machine #0

Mind Machine de Denn C. Mendes, que conta a história de Aya que, ainda criança, sofre uma tragédia em família - a morte dos pais -, tendo então devido a dor da perda um forte lapso mental, passando a inconscientemente abrir passagens do nosso mundo para outros, permitindo a entrada de seres de outros mundos e realidades para o nosso.


Clique na Imagem para Baixar!

Resenha: Rowan, o Guardião

O que é?
Primeiro livro de uma série de livros juvenis escrita pela autora australiana Emily Rodda e lançado no Brasil pela Editora Fundamento.

Sinopse
Os seis mais fortes e corajosos aldeões decidem desafiar os terrores desconhecidos da Montanha e descobrir o que causou a seca do único córrego da aldeia. Mas Rowan, por causa de uma brincadeira de Sheba, a feiticeira do vilarejo, é obrigado a ir com eles e se torna o indesejado sétimo membro do grupo. Ele deve descobrir a força e a coragem dentro de si, pois não tem escolha: o mapa que indica o caminho até o topo só se revela em suas mãos.

Essa perigosa jornada é a chance de Rowan sair da sombra de seu pai e ganhar o respeito do vilarejo. Mas, aterrorizado pelos perigos que poderá encontrar no caminho, Rowan nem pensa nessa possibilidade. Ele quer apenas sobreviver e salvar seu lar.

Guiados por um mapa encantado, o grupo segue pistas misteriosas. Ao longo da jornada, os aventureiros enfrentam perigos que não poderiam imaginar e são colocados frente a frente com seus piores pesadelos. Um a um, a Montanha tenta vencer todos. E apenas um deles vai ter a coragem e a inteligência para alcançar o topo e vencer o desafio final.

Comento...

Aqui como em Deltora os heróis passam por diversas provas, mas ao contrario de Deltora que dividiu os desafios em vários livros à autora colocou todos eles num mesmo livro. Imagino que Emily Rodda tenha outros planos para Rowan nos próximos livros da saga.

Assim temos uma história linear sem reviravoltas onde os desafios são apresentados e rapidamente resolvidos deixando-nos a impressão de que eles só estão ali para atrasar / impedir o avanço dos parceiros do herói para que ele chegue sozinho ao fim e cumpra sua missão. É um macete válido que é usado à exaustão nas séries de animação japonesa para garotos e, talvez por isso, passou-me a impressão de que lia / via mais do mesmo.

Claro que eu devo levar em conta que o livro foi escrito para leitores vinte e cinco anos mais jovens, pelo menos. Como escritora de livros infanto-juvenis se sai muito bem, como já provou sua série anterior: Deltora Quest.

A narrativa de Emily Rodda é limpa e direta, sem floreios, sem grandes mergulhos na psique de Rowan ou dos outros personagens grupo de aventureiros. Uma pena porque a autora construiu um grupo interessante de personagens que mereciam ser mais bem exploradas; espero que voltem nos próximos livros da série.

Assim como em Deltora a autora opta pelo foco narrativo em terceira pessoa com narrador-parcial; ou seja, o narrador está o tempo todo sobre Rowan, acompanhando seus passos e seus pensamentos, mas sem aprofunda-los muito, e conhecemos o mundo e os outros apenas pela percepção que Rowan tem deles.

É quase como uma variante do foco narrativo em primeira pessoa e assim, como esse exige certa habilidade do autor na construção da história; e não estou dizendo que Emily Rodda não tenha essa habilidade, muito pelo contrário; ela se sai muito bem no que se propõe.

Escritora habilidosa, Emily Rodda nos brinda com uma obra parecida com Deltora Quest, pelo menos em sua execução, maior sucesso da autora, que pode crescer e nos oferecer muitas surpresas nos próximos livros da saga. 




Ficha Técnica
Rowan, o Guardião - O Maior Teste de Coragem Está Começando
Autor: Emily Rodda
Editora: Fundamento
ISBN: 9788576763697
Formato: 23x15 cm
Encadernação: Brochura
Quantidade de páginas: 12o

Clique AQUI para adquirir o seu!