Libertas #1

O que é?
Gibi publicado em formato digital no site NHQ, de Adriano Gon. Ao longo de suas edições, a série vai reunir alguns super-heróis dos quadrinhos nacionais - Velta, Homem de Preto, Gralha, Penitência e o novato Serpente - sob a insígnia do Libertas, uma antiga força-tarefa ligada ao Governo. Esta primeira parte - que promove o encontro de Velta e do Gralha a partir de uma série de assassinatos numa escola em Curitiba.

Comento...
A Arte:
Regular, mas dentro do padrão para este tipo de publicação. Ricardo Santos se mostra melhor desenhista de “mascarados” do que pessoas comuns, mas conta a seu favor a habilidade de sempre mudar o ângulo da cena. Geraldo Filho, o colorista, fez uma boa escolha de cores.

O Roteiro: Aqui está o calcanhar de Aquiles do gibi. Talvez Gabriel Billy, o roteirista, devesse ter maturado mais o roteiro, porque a sensação que temos é que falta coerência interna ao roteiro, e a estrutura da história é muito frágil. Sem falar que por vezes a própria “Suspensão de Descrença” do leitor fica ameaçada por alguns instantes, algo essencial para este tipo de história: leia-se, ataque de dinossauros no centro de Curitiba. Esse tipo de situação poderia ser evitado se o roteirista tivesse guardado o roteiro por alguns dias dentro de uma gaveta e então passá-lo por uma releitura crítica.
E, o calcanhar de Aquiles do roteiro são os diálogos. Partindo do pressuposto de que “Cada diálogo deve ter como função avançar a narrativa”, percebemos que vários diálogos não cumprem essa função.

Velta: Dos personagens apresentados Velta parece ser a mais desenvolvida. Isso, apesar de pessoalmente de “não ir muito com a cara” da Velta por causa de seu visual sexista: Deus, qual é a de fazê-la sempre lutar de tanga/calcinha? Porque ela não pode usar um simples colant por baixo da roupa? Uma peça clássica que lhe daria um ar mais heróico e menos “puta”. O que foi aquela babação de ovo na luta contra (argh!) os dinossauros, média com criador da personagem?

O Gralha: O personagem mais inconsistente da história e o menos desenvolvido. Gustavo, Milton e O Gralha também foram os protagonistas das cenas e falas mais constrangedoras do roteiro. “Que mulher!”, “Que bunda!”, que raios de dialogo é esse? Deixar uma personagem bonita ou não é obrigação do desenhista. Não compreendi porque o roteirista quis enfatizar tanto os dotes físicos da personagem Para fazer uma média com o criador dela, talvez? A fraca participação, as cenas e os dialogos vexatórios do Gralha levam a crer que Gabriel Billy não soube trabalhar com o personagem.

Homem de Preto: Assim como o Gralha, não conheço mas sua aparição foi pontual e estritamente dentro do necessário – ponto pro roteirista. Talvez sua cena de luta devesse ter sido incrementada e usada para substituir a luta (argh!) dos dinossauros. Pelo menos ficaria mais verossímil.

Serpente: Mesmo caso do homem de preto, mas não sabemos se ele é herói ou apenas um bêbedo recrutado aleatoriamente.

Penitencia: E Penitencia...? Cadê a Penitencia? Este foi talvez a maior falha do roteiro: não apresentou todos os personagens principais ao publico leitor... Falha grave. Um desrespeito aos fãs da personagem que baixaram a revista porque ela estava na capa.
Ao invés de vermos Penitencia de corpo e habito temos, ao fim da edição, um relatório mixuruca que a cita e a outros heróis nacionais. A citação a estes outros heróis soou como um pedido de desculpas a seus autores por eles não estarem no gibi. Totalmente desnecessário. Soou, inclusive, como ranço corporativista.

Encerrando:
Pelo que se propunha, esperava muito mais de Libertas, mas os problemas detectados revelam a inexistência de um editor, que poderia ter apontado as falhas ao roteirista e o ajudado a solucioná-los.

É isso.


6 comentários:

  1. Valeu pelos comentário cara, foi de mais valia para nós da KDQUADRINHOS.

    Poderia divulgar mais suas ideias, soh tomei noticias dele agora.

    Fique com Deus e se puder continuar com suas criticas construtivas nos ajudaria.

    Abração
    Drope Aquim
    BLOG.KDQUADRINHOS.COM.BR

    ResponderExcluir
  2. Fala rapaz.. blz pura?? gostei das criticas... Tenho que concordar que não sou um roteirista ideal, tanto que a partir da numero 3 de libertas vamos contar com 2 roteiristas excelentes que estarão concluindo as coisas com mais qualidade no meu lugar...

    Já a questão sexista é uma coisa a se questionar, pois faz parte da velta isto, se você conhece bem a hist´poria dela, sabe que ela é um jovem reprimida, criada por um pai ignorante aos moldes antigos, não pode fazer nada demais, ela expressa essa "vulgaridade" na forma de se vestir dela na forma de Velta..por isso as roupas curtas..
    O gralha ter falado "Que mulher", "que bunda" acho uma fala normal de um herói despretensioso, que está ao lado de uma mulher de mais de 2 metros de altura,"gostosa" e de biquíni ao lado...

    Eu acredito que não desenvolvi bem os personagens no roteiro por isto você teve esta sensação de apelo, mas não era bem isto, foi apenas uma tentativa de ser fiel a proposta dos personagens...

    Mas como disse antes, parabéns pela matéria..

    Abraços..

    ResponderExcluir
  3. Opa!!
    Obrigado pelos comentarios...

    Gabriel Billy: eu não disse que você nao é o roteirista ideal apenas que deveria ter amadurecido mais um pouco o roteiro e que você foi vitima da falta de um editor. Se a revista teve um ele não fez seu trabalho. Já dizia Dennis O´Nell, "Ninguém disse que escrever para quadrinhos é facil".
    Passe bem e muito sucesso...

    ResponderExcluir
  4. Fala MArius,

    rapaz,, quando eu digo que não sou o roteirista ideal,, eu memso que estou falando não estou te "acusando rsrs"..


    Eu pretendo continuar roterizando HQs.. mas em Libertas eu vejo uma responsabilidade muito grande, pois uso personagens de terceiros, e vejo Libertas como uma HQ que chama a atenção, é necessário os melhores profissionais que eu conseguir arranjar e eu não me encaixo nisso ainda em roteiro... Mas vou continuar treinando em outros projetos que tenho (inclusive a HQ solo do Serpente) e um dia volto a roterizar Libertas.. Acho legal demais suas resenhas.. a NHQ precisava de alguem para avaliar de maneira mais técnica suas HQS.. parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Realmente muito pertinentes as suas críticas! Esse foi meu primeiro trabalho com quadrinhos e REALMENTE preciso melhorar muito alguns aspectos, como os desenhos de "figuras do cotidiano" rsrsrs... Mas te digo que COM CERTEZA valeu muito a pena trabalhar nesse projeto! Abração!

    ResponderExcluir